terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Rubus rosifolius - fruta de tamanho diminuto, mas de elevado potencial

A Rubus rosifolius, conhecida como moranguinho silvestri e amora-vermelha, é uma frutífera nativa do Brasil, mais precisamente da Mata Atlântica. Encontra-se dispersa nas matas da região sul e sudeste a parte do MS, já que os pássaros são os principais agendes dispersores. Hora tenho minhas dúvidas se chamamos de amora-vermelha ou framboesa, pois é oca como as framboesas, mas possui crescimento similar as amoras. Bem, a literatura classifica como amora-vermelha, então, seguimos o que está escrito.

Temos dúvidas quanto a multiplicação dessa espécies, realizada até então por rebentos, fato esse que nos levou a instalação de uma série de ensaios e que logo teremos um pacote tecnológico sobre o processo de produção de mudas dessa frutífera.

Mas o que nos mais animou foi o desempenho produtivo. No oeste paranaense, a amora-vermelha começou a floração em meados de abr./maio e se estendeu até out., mais de seis meses em produção. As colheitas se iniciaram sete meses após o plantio. Registramos no primeiro ano a produção de aproximadamente 600 g por planta e no segundo ano 1.600 g. Em termos de produtividade, se levarmos em consideração o espaçamento 0,5 x 3 m, algo em torno de 4 ton/ha e 10,5 ton/ha, respectivamente. Aqui no sul de Minas até o momento vem produzindo absurdamente.

Estamos realizados alguns trabalhos de caracterização química também. Fizemos alguns potes de geléia e o sabor é inigualável. Realmente para processamento essa fruta possui um grande potencial.

3 comentários:

  1. Prezado Rafael Pio,

    Fico contente em ver que estão sendo feito pesquisas desta humilde pequena fruta brasileira a Rubus rosifolius. Semprea observei com curiosidade e pela beleza dos frutos, quando me interessei por pequenas frutas imaginei que esta nossa frutinha pudesse ser explorada, inclusive tenho alguns pés na porta de minha casa, embora num lugar inadequado, estou constantemente obeservando seu desenvolvimento, devo até dizer que fiquei surpreso ao ler esta matéria de que estão sendo desenvolvidos estudos desta planta. E fico feliz por ser atestado que ela tem potencial.
    Assim que me interessei por pequenas frutas, já procurei me tornar produtor e estou cultivando amoras (Brasos) e framboesas (Heritage), estas últimas ainda estou observando a adaptação dela ao local onde foi plantada. Estou tendo problemas com largartas que estão comendo as cascas das raizes.
    Pretendo na época de plantio este ano ampliar a lavoura.
    Mas ainda não sou um produtor rural, apenas consegui que meu pai permitisse que eu plantasse amoras, framboesas e agora uvas, em um lote de seu sítio. Mas estou empolgado.
    Além disso sou Secretário de Meio Ambiente e Agricultura em Caldas, e penso que estas culturas de pequenas frutas pode ser uma boa opção para agragar valor à propriedade de nossos pequenos agricultores e ser uma renda a mais.Como não vi seu e-mail para contato no seu perfil estou deixando o meu: j.c.galdrich-minas@hotmail.com
    É possível fazer uma visita a Lavras e conhecer os esperimentos que estão sendo desenvolvidos aí?
    E realmente haverá um dia de campo em setembro do corrente ano (como li em outro artigo aqui em seu blogger),referente a frutos vermelhos?
    Por hora é isso. Fico no aguardo.
    Att.

    Jonathas

    ResponderExcluir
  2. mande pra mim seu email por gentileza,eu to tentando ver o que vou produzir no terreno da elétropaulo eles vão me conseder este contrato com eles a cada cinco anos renovando,e ficaria mu7ito feliz em produzir algumas plantas frutiferas Brasileiras,de pequeno porte e voce me ajudaria muito com isso pequeno produtor vivendo de forma sustentavél em plena São paulo.eu o ajudarei a difundir as frutas,só estou preucupado se vão ser aceitas.Voce pode me enviar as sementes das matrizes que escolherão ou vende? seria bom pra todos nóz valorizar o que é natural daqui.só boas matrizes e com melhores sabor terão resultado para perpetuarmos a produção, e como voce ta adiantado no assunto ja é um caminho andado pra nóz,eu quando estiver produzindo serei um colaborador seu aqui em são paulo de suas pesquisas fique com Deus... email mario.tolentino@hotmail.com

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde, Somos jovens acadêmicas de Nutrição Experimental, e gostaríamos de mais informações sobre a Amora vermelha. Visto que estamos iniciando um novo projeto. Se puderem nos ajudar, envie-nos um e-mail para mvmalachias@gmail.com ou andregirl20@hotmail.com.
    Att,
    Andreza e Marina
    Univali- Santa Catarina.

    ResponderExcluir