quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Produção e atributos de qualidade de cultivares de marmeleiro na região leste paulista



Atualmente, a cultura do marmeleiro não apresenta importância significativa na fruticultura brasileira. A partir da década de 90, houve acentuado decréscimo nas áreas cultivadas com marmeleiros no Brasil, passando de 1.908 ha em 1990 para apenas 197 ha nos dias atuais (IBGE, 2010). No Estado de Minas Gerais, concentra-se a maior área cultivada (115 ha), seguido pelos Estados do Rio Grande do Sul, Bahia e Goiás. Nos demais Estados, os marmeleiros apenas se encontram em cultivos caseiros e não há registros pelo IBGE.
Considerando a baixa produção dos marmeleiros em regiões de inverno ameno, o presente trabalho foi desenvolvido com o intuito de selecionar cultivares produtivas para o Estado de São Paulo. Plantas de três anos de idade dos marmeleiros 'Marmelo Pera', 'Smyrna', 'Cheldow', 'Van Deman', 'Meliforme', 'Portugal', 'Provence', 'Mendoza Inta-37', 'Rea´s Mamouth', 'Fuller', 'Meech Prolific', 'De Patras' e 'Pineapple', cultivadas no Centro APTA de Frutas do IAC (Jundiaí-SP), em espaçamento 3 x 4 m, foram avaliadas nas safras 2008/09 e 2009/10. Durante as duas safras, foram avaliadas as fases fenológica, número médio de frutos, produção média e produtividade estimada, massa, diâmetro e comprimento médio de frutos, coloração da epiderme e polpa, firmeza da polpa, sólidos solúveis, acidez titulável e relação SS/AT. Concluiu-se que os marmeleiros 'Fuller', 'Smyrna', 'Portugal', 'Provence' e 'Mendoza Inta-37' apresentaram maior desempenho produtivo, chegando a produzir 10,5 ton por ha no segundo ano produtivo. A cultivar Mendoza Inta-37 apresentou atributos de qualidade mais adequados ao consumo in natura, com maior teor de sólidos solúveis, menor acidez titulável e firmeza de polpa e ratio mais elevado, seguida pelos marmeleiros 'Fuller', 'Provence' e 'Portugal'.
Maiores informações no sítio:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-29452011000300042&lng=pt&nrm=iso


Um comentário:

  1. Olá, seria possível verificar a possibilidade de importar esses materiais (31 cultivares) para Portugal?!

    Abraço,
    João Santiago

    ResponderExcluir